R - Disse que Pereira Cristóvão devia ter ido à última assembleia geral e acusou-o de usar a cartilha do rival...

NS – O que disse é que ele usa os mesmos argumentos.

R - Ele afirmou que não se esquece do que você pensava e dizia em 2011 de quem hoje lhe dá emprego. Quer esclarecer?


NS – Eu sobre esse senhor já disse tudo o que tinha a dizer. Há uma coisa que eu garanto que nunca fiz e nunca me viram fazer: nunca celebrei derrotas do Sporting contra os rivais por qualquer espécie de ressabiamento ou ressentimento por ter perdido eleições ou outra mágoa qualquer que me afligisse.

R - Quem o fez?

NS – As pessoas lá saberão.

R - Estávamos a falar de Paulo Pereira Cristóvão...

NS – Quem o fez sabe exatamente de quem é que eu estou a falar. Há muitos sportinguistas que sabem. Eu tenho a consciência tranquila.

Autor: Vítor Almeida Gonçalves