O 'Correio da Manhã' avança esta terça-feira que o diretor-geral do FC Porto, Luís Gonçalves, está a ser investigado pelo Ministério Público (MP). O diário da Cofina assegura que o MP já terá mesmo pedido diversos documentos à Federação Portuguesa de Futebol (FPF), que considera "imprescindíveis", tais como as nomeações da jornada do Sp. Braga-FC Porto da época passada, o relatório do árbitro Hugo Miguel e o mapa de castigos dessa ronda.

O encontro no Minho acabou empatado e os responsáveis azuis e brancos insurgiram-se contra a arbitragem do juiz lisboeta e do quarto-árbitro, Tiago Antunes. No fim desse jogo, Luís Gonçalves foi expulso por ter ameaçado Tiago Antunes. "Nós sabíamos o que vinhas tu para aqui fazer, nós vamos conversar mais tarde, a tua carreira vai ser curta", terá atirado o diretor-geral portista que acabou suspenso pelo Conselho de Disciplina da FPF por 30 dias, com base no relatório de Hugo Miguel.

No final da época passada, Tiago Antunes acabou mesmo por ser despromovido de categoria - motivo pelo qual o Ministério Público terá aberto uma investigação.

Contactado pelo CM, Luís Gonçalves afirmou não ia"reagir à notícia".

Recorde-se que já ontem o Benfica havia aludido à investigação do Ministério Público na denúncia de ameaças por parte de Luís Gonçalves às equipas de arbitragem tanto no túnel do Bessa como no jogo com o Leixões, denúncias essas que ainda não resultaram em reclamação formal na FPF, segundo apurou Record.