O número de mortos no incêndio que começou no sábado em Pedrógão Grande subiu para 64, disseram esta segunda-feira as autoridades, acrescentando que 70% do fogo está dominado.

O balanço anterior apontava para 63 mortos. O novo número de vítimas mortais foi confirmado pelo tenente-coronel da GNR Carlos Ramos aos jornalistas pelas 20:00, sete horas após o último balanço oficial. Nessa altura foram confirmados 62 mortos. Já pelas 17:00, o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Jaime Marta Soares, disse que um bombeiro voluntário da corporação de Castanheira de Pêra tinha morrido no hospital de Coimbra, onde estava internado, aumentando para 63 o número de mortos.

A 64.ª vítima mortal é, segundo Carlos Ramos, um habitante da localidade de Pobrais, no concelho de Pedrógão Grande.

Ainda no balanço das 20:00, o comandante operacional da proteção civil, Elísio Oliveira anunciou que "70% do incêndio está dominado", no entanto há ainda "muito trabalho a fazer, que irá estender-se durante muitas horas"

"É uma tarde bastante difícil, com situações complexas, que ainda se mantêm e são situações que nos preocupam", afirmou Elísio Oliveira.

Segundo este responsável, na zona de Pedrógão Grande há algumas populações que "inspiram cuidado".

O fogo, que deflagrou às 13:43 de sábado, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, alastrou depois aos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, e entrou também no distrito de Castelo Branco, pelo concelho da Sertã.

O último balanço dá conta de 64 mortos e 135 feridos.

Há ainda dezenas de deslocados, estando por calcular o número de casas e viaturas destruídas.

Além de Pedrógão Grande, existem quatro grandes fogos a lavrar nos distritos de Leiria, Coimbra e Castelo Branco. Em todo o País, os fogos mobilizam um total de cerca de 2.155 operacionais, 666 veículos e 21 meios aéreos.

Autor: Lusa