Luís Filipe Vieira foi constituído arguido devido a negócios com o Banco Português de Negócios (BPN), instituição que faliu em 2008. 

O Ministério Público suspeita dos crimes de burla qualificada, de falsificação e branqueamento de capitais, que terão causado um prejuízo de 23 milhões de euros ao BPN, entretanto comprado pelo BIC. De acordo com a revista 'Sábado', um dos principais alvos da investigação é a Inland, empresa de promoção imobiliária que é detida maioritariamente pelo presidente do Benfica.

Em declarações por escrito à 'Sábado', Vieira confirmou que foi constituído arguido. "Mas tudo foi devidamente esclarecido há cerca de três anos, quando questionado no âmbito do processo", pode ler-se.