É já esta sexta-feira que o Mundial sub-17 arranca na Índia. A Seleção Nacional não está presente... mas a representação portuguesa está assegurada por Artur Soares Dias, Rui Licínio e Paulo Soares. A equipa de arbitragem parte com ambição de mostrar que há muito valor no nosso país.

"Já começa a ser uma rotina positiva. Depois do Mundial sub-20 na Nova Zelândia e de ter estado na Taça das Confederações, estar num Mundial sub-17 já é mais tranquilo. Já não é a mesma apreensão do primeiro, já aprendemos alguma coisa e estamos mais confiantes do que estaríamos na altura. Estamos mais seguros de que vamos desempenhar bem o nosso papel, mostrando que em Portugal temos bons valores na arbitragem", explicou Artur Soares Dias, ao site da Federação Portuguesa de Futebol.

Ciente de que "mais vale dar poucos passos mas bons do que muitos e um bocadinho a tremer", o árbitro da Associação de Futebol do Porto não esconde a vontade de também estar no Mundial da Rússia. Para já, está entre os 20 pré-selecionados.

"Continuo a acreditar porque trabalho para lá estar. Mas com certeza que vai ser difícil. Neste grupo de 20 pré-selecionados sou o elemento mais novo, o maçarico do grupo, que ainda está a caminhar para lá chegar. Se não for neste, vai ser no próximo. Continuo a trabalhar para mostrar que temos valor. O resto já não me compete a mim, mas vamos fazer tudo para lá estar", sustentou, antes de lembrar que já foi feito um corte a um grupo de 27 e que, mesmo sendo o único árbitro fora da Elite, continua nos pré-selecionados.

Certo é que Soares Dias não quer ficar com os louros para si. "Sou a cara mais visível, mas não é trabalho só meu, é de todos, de muitos. Enriquece a arbitragem nacional, não a mim. É uma vitória de todos, não minha, do Conselho de Arbitragem, da Federação Portuguesa de Futebol", rematou.

Autor: Pedro Gonçalo Pinto