Depois da polémica arbitragem no triunfo do Sporting em Tondela (2-1), com um golo de Coates aos 90’+9, João Capela vê-se envolvido em mais problemas. Isto porque o árbitro da AF Lisboa viu ser-lhe instaurado um processo disciplinar por decisão de José Manuel Meirim, presidente do Conselho de Disciplina da FPF, que já seguiu para a Comissão de Instrutores da Liga.

Em causa está aquilo que o internacional, de 43 anos, escreveu no relatório do jogo, mais concretamente relativamente à expulsão de Murilo, extremo do Tondela. "És uma vergonha" e "hijo de p...", lê-se no documento. Ora, o Tondela mostrou logo estranheza quanto à natureza do insulto do atleta em causa, uma vez que é... brasileiro e não fala espanhol.

Na altura, Vítor Ramos, diretor desportivo dos beirões, suspeitou de um erro no relatório. "O Murilo é brasileiro, não fala espanhol, muito menos insulta em espanhol. Nunca jogou noutro país que não o Brasil ou Portugal", comentou na altura o dirigente, que lançou a hipótese de Murilo ter sido confundido com Jhon Murillo, extremo venezuelano que representou o Tondela em 2017/18.

Exibição em Tondela com consequências

Tal como ‘Record’ adiantou em tempo oportuno, a exibição de João Capela não agradou ao Conselho de Arbitragem da FPF. Embora sem detalhar quais os erros que estão em causa, o organismo que gere a arbitragem no nosso país analisou a atuação do internacional – à semelhança do que faz com todos os árbitros –, que tem consequências. Sem se tratar de estar na ‘jarra’ ou de castigo, Capela acabou por ficar afastado das nomeações do CA da FPF para esta jornada, um cenário que se pode repetir nas próximas rondas das competições profissionais do futebol português.

Autor: Sérgio Krithinas