A plataforma Mediapart, que tem trabalhado sobre os documentos divulgados pelo portal Football Leaks, apresentou mais conclusões sobre os negócios da Doyen, no caso a envolver Brahimi, escreveu ontem o jornal ‘L’Équipe’.

Entre outras informações já conhecidas, a maior novidade prende-se com uma alegada autorização que o fundo recebeu do FC Porto para negociar a venda do argelino – tudo indica que no verão de 2015 – e com a qual, assim uma transferência se concretizasse, a Doyen encaixaria 10 por cento de comissão sobre a venda, a acrescer à percentagem que já detinha.