O Aves beneficiou dos deslizes dos concorrentes diretos na luta pela subida e reforçou a ambição de carimbar o regresso ao escalão principal. A equipa de José Mota continua com mais sete pontos do que o Varzim, enquanto Académica e Santa Clara se encontram a dez pontos do primeiro lugar que dá acesso à 1ª Liga.

Recuperar a confiança do plantel era a principal meta de José Mota no momento da chegada ao comando técnico da formação da Vila das Aves e a verdade é que tem conseguido isso mesmo. Os avenses seguem sem perder há quatro jogos – venceram os últimos dois – e voltaram a recuperar o alento que parecia ter-se desmoronado durante várias jornadas para atacar de novo o grande objetivo nesta reta final de temporada.

A barreira psicológica está mais do que ultrapassada e a recente conjugação de resultados dos adversários diretos na luta pela subida – Varzim e Santa Clara perderam – foi uma injeção de confiança extra para o grupo de trabalho. O regresso à 1ª Liga, que não acontece desde 2006/07, está à distância máxima de 20 pontos, quando faltam 27 para disputar. Uma margem relativamente confortável, dado que a fasquia dos 81 pontos até pode baixar se os perseguidores continuarem a desperdiçar pontos como tem sucedido.

Calendário exigente em fase decisiva

É verdade que faltam 20 pontos para o Aves carimbar definitivamente a subida de divisão, mas o calendário que se avizinha exigirá concentração máxima ao plantel de José Mota. Nos próximos quatro jogos, a formação avense defrontará três dos cinco melhores classificados da 2.ª Liga – Santa Clara, Académica e Portimonense –, prevendo-se uma fase de grandes decisões. Uma quebra poderia comprometer muita coisa, mas vale a pena recordar que se o Aves conseguir os mesmos resultados que na 1.ª volta diante destes adversários – venceu os três – o objetivo estará bem mais próximo.


Autor: Tiago Ribeiro