Mário Nélson, treinador do Ouriense, negou ter agredido à cabeçada um futebolista do Mação (Bruno Lemos), na quinta-feira, em jogo entre as duas equipas, para a Taça do Ribatejo. Em declarações a Record, o técnico acusou os adversários de mentirem e explicou que este tipo de situações não são virgens.

"Estou de boca aberta. O jogo decorreu de forma completamente natural. Mação ganhou e ganhou bem. No final do jogo esteve toda a gente no bar. Estivemos ali todos e não se passou nada. Eu estranho este tipo de atitudes mas quando jogo com o Mação é sempre assim. O que posso dizer é que é completamente falso. Aliás, não está no relatório do árbitro nem em lado nenhum. Nem sei o que eles querem com isto", explicou Mário Nélson, apontando o dedo a alguns nomes:

"É um grupinho de gente que anda sempre à procura disto. O presidente do Mação [José Espírito Santo] e o Fábio Patrício [diretor-desportivo do Mação]. Acho que até o presidente do U. Tomar teve não sei o quê connosco ou comigo! Eu nem vi o senhor no campo!", concluiu.

Refira-se que, em comunicado publicado na página oficial do Mação no Facebook, o clube escreve que "Bruno Lemos foi agredido à cabeçada pelo treinador do Ouriense, Mário Nelson, sem que nada o fizesse prever, quando se dirigia ao balneário após o aquecimento inicial para o jogo", em situação que, afirmam, é "inadmissível no desporto, desprezível para quem vive o futebol distrital".

Contactado pela Lusa, o presidente do Ouriense, José Luís Ferreira, disse "lamentar a situação, que se passou dentro das instalações do clube", assegurando "não saber o que motivou" a alegada agressão, nem a ter presenciado, tendo, no entanto, afirmado ter apresentado "de imediato um pedido de desculpas ao presidente" do clube de Mação.

Autor: Flávio Miguel Silva