O Benfica expressou esta segunda-feira indignação pelo que diz ser pela "inequívoca dualidade de critérios da justiça desportiva" e o "clima de impunidade" no futebol português, que, no entender dos encarnados, resulta da "ineficácia das principais instituições".

Os responsáveis do emblema da águia, que há muito têm denunciado existirem "clima de coação, intimidação e declarações públicas ofensivas quase diárias", consideram que a justiça desportiva é celere quando são processos que envolvem o Benfica, em contraste com "total ausência de decisões" noutros casos.

Para os encarnados, o Benfica "não tem sido devidamente respeitado", daí que não se tenha feito representar, a nível institucional, na Gala da Federação Portuguesa de Futebol.

Eis o comunicado na íntegra:

"Face à permanente e reiterada inexistência de tomadas de posição por parte dos responsáveis da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e perante o grave clima de coação, intimidação e declarações públicas ofensivas quase diárias a que se tem assistido no futebol português;

Face a uma inequívoca dualidade de critérios da justiça desportiva, até hoje não contestada, em que só os processos que envolveram o Sport Lisboa e Benfica (Luis Flipe Vieira, Rui Costa e Rui Vitória) conheceram uma decisão célere e penalizadora, em contraponto com uma total ausência de decisões sobre outros processos, alguns bem mais antigos, que envolvem outras instituições e agentes desportivos por factos de reconhecida enorme gravidade:

Entende o Sport Lisboa e Benfica que não tem sido devidamente respeitado e não é aceitável a continuação deste clima de impunidade que resulta da ineficácia das principais instituições que gerem o futebol Português.

Nesse sentido, o Sport Lisboa e Benfica considera que estando ultrapassados todos os limites de tempo razoáveis para se aguardar por decisões (quaisquer que elas sejam) e não existindo qualquer explicação, chegou o momento de publicamente demonstrar e expressar a sua indignação, justificando por esse motivo a ausência de representantes institucionais do clube no evento hoje realizado.

O Benfica não aceita este estado de total anarquia, de vale tudo em que se está a transformar o futebol português, tornando-se exigível que a lei seja cumprida de forma transparente e que exista uma JUSTIÇA IGUAL PARA TODOS.

Existem factos que resultam de ameaças, insinuações e insultos públicos que só foram objecto de abertura de processos após as competentes participações disciplinares efetuadas pelo Sport Lisboa e Benfica.

São factos comprovados, muito preocupantes, que fazem lembrar um regresso a um passado de triste memória e como tal o silêncio não é mais aceitável, tornando exigível que a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga Portuguesa de Futebol Profissional assumam de uma forma clara e transparente as suas obrigações.

O Benfica continuará o seu projeto de engrandecimento do futebol português e exige respeito em nome de uma indústria que requer profissionalismo, rigor e exigência de todos.

É o futuro, a transparência e a sã convivência do Futebol Português que está em causa.

Chegou o momento de respostas claras e não de um silêncio comprometido e escondido.

Direção de Comunicação SLB"