A afirmação de Zivkovic acaba por ter um custo para os companheiros e, neste momento, o principal prejudicado é Carrillo, que, até pela concorrência, é uma solução de banco. O peruano tardou na adaptação à nova realidade e demorou mais tempo do que o esperado a ultrapassar a paragem e isso acabou por condicioná-lo.

O ex-Sporting foi utilizado em 21 jogos, mas só em oito foi titular. Aliás, a sua última aparição no onze registou-se na meia-final da Taça CTT, onde as águias foram eliminadas pelo Moreirense. No campeonato, os registos do camisola 15 ainda são mais modestos, pois, a titular, só mereceu a confiança do técnico com o Feirense, numa fase em que o departamento médico estava muito preenchido.

E ainda há Cervi que, para já, parece ter perdido o estatuto de segundo extremo para Zivkovic. Ainda assim, o argentino apresenta números bastante aceitáveis para esta fase da temporada pois soma 26 jogos, dos quais integrou o onze inicial em 22.

Por último, é preciso falar de Rafa, que pode jogar nas alas mas que, na Luz, tem sido utilizado como segundo avançado.