O regresso de Júlio César à baliza do Benfica pode ser a grande novidade na equipa encarnada, em Chaves. O guarda-redes já se encontra a fazer trabalho de campo e, à partida, reúne as condições físicas para voltar ao onze, mas este cenário só vai concretizar-se caso Rui Vitória entenda que não coloca o internacional brasileiro em risco.

Afastado da competição desde o jogo com o Arsenal, na Emirates Cup, onde sofreu uma tendinopatia na perna esquerda, o jogador tem passado as últimas semanas a realizar tratamento, no ginásio. Esta situação originou mesmo a utilização de Bruno Varela nas duas primeiras partidas oficiais da temporada, frente a V. Guimarães e Sp. Braga.

A recuperação de Júlio César, de 37 anos, pode agora relegar o internacional português para o banco de suplentes, pois, em condições normais, será sempre o camisola 12 a assumir a responsabilidade de defender a baliza das águias, pelo menos até Rui Vitória receber uma nova opção para esta posição. Contudo, para Júlio César regressar, o treinador do Benfica terá de receber a garantia que a utilização do sul-americano não engloba quaisquer riscos.

Horta e Krovinovic aquecem

Já recuperados das respetivas lesões estão também André Horta e Krovinovic, mas é quase certo que não vão entrar nas contas da equipa técnica para a deslocação a Chaves. Os dois jogadores já se encontram a treinar-se sem limitações, mas ainda não têm o ritmo necessário para poderem disputar um lugar na equipa.

Na fase final da recuperação está ainda Carrillo, que falhou os primeiros encontros da temporada devido a um traumatismo no joelho direito. A possibilidade de o extremo ainda poder integrar a convocatória para a partida de amanhã não está descartada mas, no melhor cenário, será sempre mais opção para começar o desafio no banco de suplentes.

Autores: João Soares Ribeiro e Valter Marques