Ribeiro e Castro espera que não se faça "política de avestruz" com o que se passa atualmente no Benfica. A detenção de Paulo Gonçalves deixa o antigo dirigente preocupado que não esconde a gravidade da situação. 

"Como benfiquista, interessa-me o bom nome, prestígio e solidez da imagem do Benfica. E estes pilares estão postos em causa? Não, mas convém não abusar… Mas sofrem alguma erosão? Sim, isso é evidente, seria fazer política de avestruz e fazer de conta que não se passa nada. Passa-se e a sério", afirmou Ribeiro e Castro esta quinta-feira à Rádio Renascença.

E prosseguiu: "O que temos lido nestes dias não é bom. É importante que a SAD proteja o bom nome do Benfica, que nesta altura está sujeito a algum desgaste. Temos de ter coragem e cabeça fria para enfrentar estes momentos… Do ponto de vista institucional este momento deve ser encarado com a maior seriedade. Saída de Paulo Gonçalves? Não é a questão mais relevante. O que me interessa é o Benfica, para além do – enquanto cidadão - esclarecimento da verdade, que - naturalmente - também é importante".

Ribeiro e Castro acredita ainda que os jogadores consigam passar ao lado desta situação. "Os nossos atletas são profissionais, espero que mantenham o foco. Mas isso não diminui o momento crítico que atravessamos. Porém, espero que as questões possam separar-se", concluiu.