O Benfica distinguiu esta terça-feira os atletas húngaros Áron Guttin, ex-campeão europeu e magiar de remo, e Kriszta Kószás, com vários títulos no atletismo, com o prémio Miklos Fehér 2016.

Desde 2009 o clube da Luz premeia anualmente atletas húngaros, no âmbito de um protocolo com a escola Bercsényi Miklós, em Gyor, terra natal do antigo futebolista do Benfica, que morreu a 25 de janeiro de 2004, durante um jogo da equipa encarnada.

Este ano a distinção coube a Áron Guttin e Kriszta Kószás, atletas que visitaram esta terça-feira o centro de estágios do Seixal e o Museu do Benfica, no Estádio da Luz, e receberam o prémio das mãos do vice-presidente Alcino António.

A escola Bercsényi Miklós, que Fehér frequentou na juventude, é especializada na formação desportiva de jovens que querem fazer do desporto a sua vida profissional, e no seu palmarés constam vários atletas com medalhas olímpicas.

Através do protocolo celebrado com o Benfica, os melhores alunos, selecionados pela escola, visitam todos os anos as instalações do Benfica.

Fehér, avançado que no futebol português passou pelo FC Porto, Sp. Braga, Salgueiros e Benfica, morreu a 25 de janeiro de 2004, aos 24 anos, ao sofrer uma paragem cardiorrespiratória num jogo do Benfica em Guimarães.

O Benfica homenageia desde então o jogador e, além dos prémios Miklos Fehér, ergueu um busto do futebolista no Estádio da Luz e mandou retirar a camisola 29, o número que era usado pelo avançado e que não voltará a ser utilizado na equipa de futebol.


Autor: Lusa