Domingos Soares de Oliveira foi ontem eleito para o conselho executivo da Associação Europeia de Clubes (European Club Association, ECA no original) para o mandato que termina em 2019. Em declarações à BTV, o administrador da SAD encarnada falou nos "vários desafios, alguns específicos e outros comuns", nomeadamente "a possibilidade da existência de uma Superliga e a forma como os clubes podem ou não ter acesso a ela". Trata-se de um assunto que tem estado na ordem do dia e, embora constitua uma ‘ameaça’ para os clubes mais pequenos, está congelado até 2021.

E isto porque existe um acordo entre a UEFA e a ECA sobre o atual formato da Liga dos Campeões para o ciclo 2018-2021. De resto, o próprio Soares de Oliveira já se congratulou por os prémios da Champions aumentarem. Na entrevista a Record, a 4 de abril, disse mesmo que o Benfica poderá duplicar o encaixe (de 35 milhões de euros para 70 milhões) se atingir os quartos-de-final. Ontem, o novo presidente da ECA, o italiano Andrea Agnelli, foi claro, ao sublinhar que os grandes clubes não desejam mais alterações na prova milionária, mesmo no ciclo seguinte, entre 2021 e 2024. "Não esperamos nenhuma novela. O ciclo da Liga dos Campeões está praticamente definido."

Reconhecimento

Soares Oliveira é o segundo português a integrar o Conselho Executivo, depois de Fernando Gomes. O assessor jurídico Paulo Gonçalves (Legal Advisory Panel) e o diretor financeiro Miguel Moreira (Working Group Finance) mantêm as suas funções até outubro, altura em que o conselho executivo ou designará novos elementos ou renovará o mandato dos atuais.

Para o Benfica, os temas importantes não esgotam na Superliga. "Existe um segundo tema que é extremamente relevante, até para o Benfica, que é o centro de treino de excelência de jogadores. Temos temas sobre as janelas de transferências... O objetivo é dar o melhor contributo para a discussão", clarificou o administrador.

Considerando a eleição como "um marco importante" e "uma grande responsabilidade", Soares de Oliveira lembrou o "trabalho de excelência" de Fernando Gomes. "Houve um reconhecimento daquilo que o futebol português tem trazido de inovador à indústria, mas sobretudo do que a estrutura do Benfica tem conseguido assegurar nos últimos anos. O seu desempenho tem vindo a ser apreciado pelos principais líderes desta indústria, quer clubes, quer a própria UEFA."

Autores: Nuno Martins e Pedro Ponte