O Boavista pretende "fazer tudo" para vencer o V. Setúbal no encontro entre as duas equipas para a 24.ª jornada da Liga NOS, marcado para o próximo domingo, às 18 horas, no Estádio do Bessa. 

Jorge Simão, que este sábado anteviu o jogo, acrescentou que o conjunto orientado por José Couceiro "está diferente" daquele que se viu na primeira volta do campeonato, apesar de ser a única equipa que não venceu fora de casa.

O treinador axadrezado não vê razões para qualquer tipo de otimismo devido ao 14.º lugar e aos 21 pontos dos setubalenses e prefere destacar "o momento atual de forma da equipa" do Setúbal, que "nos 12 últimos jogos só tem uma derrota, em Braga (3-1), tendo defrontado adversários que estão no topo da classificação".

"Não olhamos para uma equipa pela sua posição na tabela classificativa. O V. Setúbal está uma equipa diferente do que foi o seu registo na primeira volta", considerou Jorge Simão.

O técnico considera que o atual V. Setúbal "está uma equipa mais musculada" e especificou que a presença de Semedo no meio-campo lhe deu uma maior capacidade competitiva de recuperação da bola e de preenchimento dos espaços no corredor central".

"A entrada do Yohan Tavares foi um reforço de peso para a linha defensiva e não jogando o Gonçalo Paciência [que em janeiro regressou ao seu clube, o FC Porto] e jogando o Edinho ganham outro tipo de características" dignas de atenção, apontou também.

O Boavista, que pode alcançar o seu quarto triunfo caseiro consecutivo, parece sentir-se mais à vontade em casa do que fora, mas Jorge Simão quer contrariar esse sentimento.

"Para nós, não deve ser diferente jogar em casa ou jogar fora. É uma batalha que, internamente, temos tido, no sentido de nos apresentarmos fora de casa como em casa", reforçou.

O Boavista vem de uma derrota fora por 4-0 com o Benfica. "Foi uma derrota pesada, mas não tenho ideia que tenha feito grande mossa a nível da harmonia da equipa", analisou.

O treinador boavisteiro também contesta a ideia de uma maior obrigação de pontuar nesta partida com o V. Setúbal, do que contra o Benfica.

"Luto contra esse tipo de pensamento. A obrigação ou a pressão de ganhar tem de estar sempre presente e essa é uma das dificuldades de um treinador, estar sempre em tensão máxima para qualquer jogo", considerou, concluindo que a "obrigação é jogar para ganhar em todos os jogos".

Jorge Simão espera, em síntese, que a sua equipa consiga "fazer tudo" o que estiver ao seu alcance para ganhar este jogo.

Com um panorama clínico muito mais desanuviado do que até há poucas semanas, o Boavista só não pode contar com o avançado peruano Iván Bulos e com o lateral direito Edu Machado, ambos lesionados.

Autor: Lusa