Yusupha continua a dar muito nas vistas no Bessa e é um dos elementos mais cobiçados do plantel, pelo que dificilmente o internacional da Gâmbia, filho do famoso Biri-Biri, avançado africano que ficou na história do Sevilha, vai permanecer nos axadrezados.

Uma consequência natural do esforço que a SAD fez durante a reabertura do mercado de janeiro, onde a política reinante passou por segurar todos os ativos, oferecendo prioridade à estabilidade e confiança no plantel, com os resultados práticos que estão à vista, já que a equipa está no 6.º lugar da tabela com 30 pontos, consumando a época mais tranquila desde o regresso ao primeiro patamar do futebol português.

Aliás, ao abrigo da manifestação de confiança no atual quadro de jogadores, não foi por acaso que ninguém foi contratado durante o mês de janeiro, altura em que houve também resistência aos vários interessados em jogadores como Raphael Rossi, Sparagna e Rochinha, os três exemplos mais significativos além de Yusupha, todos eles com contratos de longa duração e que, naturalmente, podem voltar aos olhos do mercado o final da temporada.

Renato Santos, agora já recuperado de uma lesão e de volta ao ativo nos últimos jogos, é outro dos elementos que a SAD boavisteira acusou interesse dos mais variados clubes, incluindo no mercado nacional.

Certo é que a SAD axadrezada espera realizar um bom encaixe financeiro no próximo defeso.

Autor: António Mendes