O Sporting ofereceu ao Marítimo 4,5 milhões de euros pelo passe de Danilo e o FCPorto pouco mais de 3 milhões. Bruno de Carvalho não percebe como perdeu o jogador, mas os documentos publicados pelo Football Leaks explicam.

Após o conhecido caso Kléber, o Marítimo foi condenado pelo TAS a indemnizar o Atlético Mineiro – o valor, com juros, já ia em 1,7 milhões de euros. Mas foi o Portimonense a assumir essa dívida. O acionista maioritário da SAD dos algarvios é Teodoro Fonseca, que também representa o grupo de empresários que detinha os 30 por cento de Danilo e trouxe Hulk, do Japão, para o FCPorto. Curiosamente, foi a SAD algarvia a comprar o passe do médio, "ou alternativamente o FCPorto", por 3 milhões de euros (mais IVA).

Coube ao FCPorto obter juntos dos brasileiros do Atlético Mineiro uma declaração de renúncia aos montantes definidos pelo TAS, no âmbito do caso Kléber. O negócio fez-se, apesar dos esforços do Sporting, ficando o Marítimo ainda com direito a receber 10 por cento numa futura transferência de Danilo.

Contactado por Record, Carlos Pereira, presidente do clube madeirense, desvalorizou aquilo que o Football Leaks divulgou. "Esse documento é um esboço inicial do contrato, mas daí para cá houve muitas cedências e negociações de parte a parte. Não corresponde ao que foi assinado."

Fernando Rocha, líder da SAD do Portimonense, que já foi dirigente do FCPorto, não comentou.