Depois de Rúben Neves, os adeptos do FC Porto salivam com a perspetiva de haver mais um diamante no Olival. André Silva, de 19 anos, anotou anteontem um hat trick ao serviço dos sub-21 de Portugal, isto depois de apontar cinco golos em cinco jornadas na 2.ª Liga e ter-se feito notar na pré-temporada do plantel principal dos dragões. O futuro do ponta-de-lança ameaça passar inevitavelmente por golos. Muitos golos.

A trabalhar a tempo inteiro no FC Porto B, André Silva é oficialmente um elemento do plantel principal. Uma prova inequívoca de que Lopetegui está atento e haverá que contar com ele mais adiante na época, apesar de preferir que o jovem vá treinando sob as ordens de Luís Castro. A SAD não costuma fazer promessas aos seus jovens e é assim também com André Silva: vai continuar a evoluir ao serviço da formação secundária dos dragões e, na próxima época, logo se verá, embora o mais provável é que acabe por ser cedido a um clube da Liga NOS.

A arrancar 2015/16 a todo o vapor, o ponta-de-lança dá assim o melhor seguimento a uma história que começou no Salgueiros, com apenas 8 anos, onde encontrou a alegria de um desporto coletivo que não tinha na natação. A mudança para os dragões, selada por uma compensação a rondar os mil euros, foi despoletada por uma exibição no Campo da Constituição, em 2010, em que o Salgueiros venceu o FC Porto por 3-2.

Conhecido por uma personalidade altamente competitiva e ambiciosa, o ponta-de-lança deixou no passado um 12.º ano completo e a ideia de que, se o futebol lhe falhasse, haveria de se licenciar em Gestão ou Economia. No futuro, esperará certamente fazer contas. De somar... golos.

Sem empresário mas com mercado

O processo de renovação, que haveria de concretizar-se na assinatura de um contrato que o liga ao FC Porto até junho de 2019 e que o protege com uma cláusula de rescisão no valor de 25 milhões de euros, foi intermediado pelo empresário António Teixeira. Mas André Silva, internacional português desde os sub-16, não tem um contrato assinado com qualquer agente. A falta de representação oficial está longe de ser um problema para o avançado, que no último ano despertou a curiosidade de alguns clubes ingleses e também do Monaco, de França.

NÚMEROS

14 - anos. Idade com que entrou no universo do FC Porto, na altura nos sub-17 do Padroense, clube com o qual os dragões têm um protocolo ao nível da formação. Já tinha representado os emblemáticos clubes portuenses Salgueiros e Boavista

31 - golos marcados ao longo de 68 internacionalizações pelas mais variadas Seleções nacionais. Passou por todos os escalões, dos sub-16 aos sub-21, e só nos sub-19 marcou 24 tentos