Nuno Espírito Santo não tem dúvidas na hora de avaliar o que sucedeu em Braga com a explusão de Brahimi: "não se passou nada, nada, nada". O argelino viu o cartão vermelho e está suspenso por dois jogos, uma situação que o treinador do FC Porto considera absolutamente "absurda".

"Há coisas difíceis de explicar. Nós, enquanto clube, e eu particularmente, venho dizendo que é preciso colaborar, para que os árbitros tenham um bom desempenho e sejam justos. Mas é muito complicado explicar aos meus jogadores e aos adeptos o que aconteceu em Braga. Não tem defesa possível. Fomos vítimas claras de uma injustiça. Eu estava no banco e não se passou nada que justificasse a expulsão. Não se passou nada, nada que se adequasse à expulsão e ao castigo. Estamos solidários com o jogador, não merecia. O castigo de dois jogos é absurdo. Espero que se faça justiça, queremos que seja reposta a verdade", afirmou esta sexta-feira em conferência de imprensa de lançamento ao encontro com o Feirense, agendado para domingo (20H15).

E prosseguiu: "O que me preocupa como técnico são as inúmeras faltas do nosso adversário e a dualidade de critérios. Sentimos que não foi justo. Vamos debruçar-nos nisso e esperar que tudo seja normal. A única coisa que peço e peço de forma muito direta, é que sejam justos. Os jogadores do FC Porto têm sido vítimas constantes de faltas graves, que não estão a ser punidas, que nos condicionam".

A 'versão' de Nuno Espírito Santo sobre o que aconteceu em Braga com Brahimi

A 'versão' de Nuno Espírito Santo sobre o que aconteceu em Braga com Brahimi


Autor: Sofia Lobato