Chegou a hora do tudo ou nada para Óliver Torres. O médio espanhol terá, agora, uma nova e grande oportunidade de mostrar a treinador e adeptos que está ao nível das exigências portistas.

Como Héctor Herrera tem o horizonte na Champions, Óliver Torres vê estender-se perante si a passadeira azul para o onze da Taça de Portugal. Em traços gerais, o médio criativo sairá como grande beneficiado da conjuntura que afeta as escolhas de Sérgio Conceição.

Face à certeza de que Herrera recuperará mais cedo do que os restantes lesionados, Óliver terá na receção aos algarvios um teste de fogo às suas capacidades. Na Taça CTT, frente ao Leixões, na última titularidade que gozou, foi considerado como o melhor portista em campo, mas como o nulo prevaleceu no marcador, o camisola 10 não capitalizou essa oportunidade e manteve a condição de suplente nos encontros das principais competições que se seguiram no calendário.

Agora, com o concorrente mexicano a dar sinais de que poderá recuperar a tempo de constituir opção para o jogo na Turquia, Óliver terá de fazer muito melhor com o Portimonense do que aquilo que fez contra o Leixões para conseguir manter o estatuto de titular com que arrancou na época e que perdeu, precisamente, após o Besiktas, no primeiro duelo ocorrido no Dragão.

Autor: Nuno Barbosa