Daniel Ramos considerou que o Marítimo até entrou bem nesta partida com o Portimonense, mas depois de sofrer o primeiro golo, as coisas complicaram-se. O clube insular não ganha há seis encontros, mas o treinador não dramatiza.

"Foi a melhor entrada que fizemos nos últimos tempos. Até ao golo, só deu Marítimo. Levámos o 1-0 e pairaram depois aqueles fantasmas de 'já vimos este filme antes'. Logo a seguir [veio] o 2-0 e a equipa a tentar reagir. Não deixámos de tentar, de procurar jogar e a equipa não perdeu muito o rumo, mas perdeu rigor em determinados momentos.

O adversário aproveitou os contra-ataques quase na perfeição, e são esses os momentos do jogo que fazem a diferença. Nós tivemos posse de bola, ascendente, aproximações à baliza, não conseguimos ter o discernimento necessário para conseguirmos marcar.

Acho que fizemos uma segunda parte bem conseguida em termos gerais. Pena que faltasse, pelo menos, um golo à equipa, o que traria o sabor de que valeu a pena todo o trabalho da equipa, que foi positivo.

[Como dar a volta à situação?] Com resultados, que são o açúcar do futebol. É termos a eficácia que não tivemos. É reduzir as oportunidades ao adversário porque, nesta fase, nós piscamos o olho e sofremos um golo.

Entre as 18 equipas do campeonato, 12 delas, incluindo o Marítimo, já tiveram cinco ou mais jogos sem ganhar, ciclos negativos. Faz parte, mas nós não queremos estar nestes ciclos. Precisamos de estar unidos, comprometidos e trabalharmos ainda mais os pormenores. O caminho é fazer coisas simples".

Autor: Lusa