O Relatório e Contas da SAD do Sporting de Braga revela vários pormenores relativos aos sucessivos negócios envolvendo Rafa, desde a sua contratação ao Feirense até à sua transferência pelo Benfica. Pelo meio, fica-se a saber se 40 por cento do passe do internacional português chegaram a pertencer ao fundo Browsefish Limited, que, de acordo com documentos do Football Leaks, pertence a Dmitri Rybolovlev.

O Braga comprou 90 por cento do passe de Rafa ao Feirense a 1 de julho de 2013, ficando os outros 10 por cento com o clube de Santa Maria da Feira. O valor global de 496 mil euros foi pago em parceria igual com a Gestifute.

No âmbito da negociação do contrato do jogador, a OnSoccer, do empresário António Araújo, ficou também com 10 por cento. Contas feitas, o passe de Rafa ficou dividido da seguinte forma: 40% para o Braga, 40% para a Gestifute, 10% para o Feirense e 10% para a OnSoccer.

Um ano depois - e, como é recordado no Relatório e Contas, numa altura em que o jogador não era titular - o Braga alienou os seus 40% à empresa Browsefish Limited pelo valor de 7,150 milhões de euros. O clube minhoto ficou assim sem qualquer percentagem dos direitos económicos do jogador.

Em 2015/16, Rafa explodiu e começou a valorizar-se. Por isso, no início de 2016, o Braga chegou a acordo com a Browsefish e a Gestifute para adquirir 80% dos direitos económicos do jogador que pertenciam às duas empresas. O negócio foi fechado por um valor global de 12 milhões de euros, sendo que 8 milhões foram para a Browsefish e os restantes 4 milhões para a Gestifute.

Com este passo, os arsenalistas passaram a deter 80 por cento do passe, ficando Feirense e OnSoccer com 10 por cento cada.

A 31 de agosto de 2016, o jogador foi transferido para o Benfica. As águias pagaram 16 milhões de euros, assumindo também o pagamento à OnSoccer, bem como do mecanismo de solidariedade. O Braga ficou com 14,4 milhões e o Feirense com os restantes 1,6 milhões.

Contas feitas, o clube minhoto teve um lucro total de 9.302.500 euros, um valor que só foi possível devido à recompra dos direitos económicos feita meses antes. Sem esse passo, o lucro seria de 6.902.500 euros.


Autor: Sérgio Krithinas