Bruno de Carvalho considerou que restaria “pedir ajuda a Deus” caso as propostas de Godinho Lopes vingassem. O ex-candidato deixou o aviso à entrada, falando aos jornalistas, e repetiu o grito de alerta em plena assembleia geral, ao usar da palavra perante os associados, e como prometido apresentou as suas soluções.

“Tenho um grupo de investidores norte-americanos que querem investir 70 milhões de dólares e a confirmação dos 50 milhões de euros russos. Se isto for para a frente, que Deus nos ajude”, dramatizou o empresário, acenando com o perigo de “falência” e considerando “vital votar não”. “Não quero deitar abaixo a direção, mas um clube melhor. Esta época teremos prejuízos de 48 milhões de euros. Isso não atrai investidores. É a quinta vez que nos pedem para salvar a SAD”, recordou, no discurso aos sócios.

O ex-candidato apresentou, ainda, propostas referentes ao processo eleitoral, nomeadamente sobre a necessidade dos delegados das listas estarem presentes nas contagens de votos e presentes em cada mesa durante todo o processo. Carvalho propôs ainda que no caso do voto eletrónico falhar possa haver voto por correspondência, sendo as cartas enviadas para os sócios com maior antecedência (entre 15 a 25 dias). Por fim, propôs um cabal esclarecimento do processo após o encerramento das urnas. As propostas acabaram por ser aceites e votadas.