A Comissão Arbitral Paritária deu razão ao Sporting, considerando improcedente o processo interposto por Bruma, depois do jovem extremo ter pedido a nulidade do contrato que tinha com o clube de Alvalade.

Assim, Bruma fica "preso" ao clube de Alvade até junho de 2014, ao contrário do que era alegado pelo advogado e tutor do jovem internacional Sub-20, que afirmava que o vínculo apenas era válido até junho de 2013 e que, assim, já teria expirado.

A CAP não divulgou o acórdão e limitou-se a revelar a decisão final.