No final da partida, o rosto do capitão Pedro Henrique era o espelho do desânimo. Ainda assim, o defesa optou por um discurso otimista, salientando as coisas boas que retirou deste empate com o Konyaspor, como, por exemplo, "o espírito forte e de luta" que o V. Guimarães mostrou em campo. "Foi o nosso terceiro jogo sem perder, temos de continuar assim", alertou o capitão vitoriano.

"Queríamos vencer, mas pecámos pela nossa entrada no jogo", admitiu ainda o brasileiro, sem esconder a "tristeza" do grupo pelo fim da linha na Liga Europa. "Temos de nos focar nas outras competições", afirmou à imagem do que fizeram outros colegas e o próprio Pedro Martins.

Explicando que a equipa "pagou caro" o facto de não ter conquistado qualquer ponto fora de casa, Pedro Henrique sentiu que, ontem, "só faltou um pouco" para o Vitória vencer. Trata-se de uma leitura semelhante à que apresentou Heldon. "Mostrámos que a nossa casa é a nossa fortaleza e os adeptos sabem que demos tudo para ganhar", afirmou o cabo-verdiano, terminando com agradecimentos ao público.

A verdade é que o mau tempo que ontem se fez sentir em Guimarães afastou muitos adeptos vimaranenses das bancadas do Estádio D. Afonso Henriques, registando-se, por isso, a pior assistência da presente temporada.

Quem lá foi apanhou um valente susto quando, nos primeiros minutos da etapa complementar, Celis perdeu os sentidos e ficou estendido no relvado. O socorro veio de pronto e, assim que se levantou, logo deu sinais da intenção de prosseguir em jogo. Assim foi e continuou a um ritmo elevado, tal como tinha acontecido até aí.

Quem não reuniu condições para voltar ao relvado no segundo tempo foi Vigário, a contas com uma mialgia na coxa e no gémeo da perna esquerda.


Autor: Bruno Freitas