O treinador Pedro Martins espera que a eliminatória frente ao Vasco da Gama da Vidigueira seja o prelúdio de uma história idêntica àquela que permitiu ao Vitória discutir a última final da Taça de Portugal. Ambição assumida mesmo com a noção de a estatística ser o principal adversário da caminhada e que o responsável espera contornar passo a passo.

"Queremos repetir aquilo que fizemos no ano passado e gostaríamos de estar novamente na final da Taça de Portugal", começou por referir Pedro Martins, ciente do contexto que se apresenta. "Sonhamos com o Jamor", salientou, embora tendo em ponderação a inevitável quebra nas probabilidades de êxito resultante da tarefa de alcançar o Estádio Nacional em duas temporadas consecutivas.

Contra o Vasco da Gama, a abordagem está clara. "Nesta eliminatória a maior responsabilidade é do Vitória, pelo que temos a obrigação de fazer um bom jogo e vencer o adversário", sublinhou.

Triunfo sintético

Depois de na época passada ter batido o recorde de triunfos fora de casa, Pedro Martins está convicto que o primeiro sucesso desta temporada vai acontecer no relvado sintético do Vasco da Gama.

"Jorge Jesus falou de como é diferente jogar num sintético. A maior parte dos grupos musculares solicitados na relva são distintos e o próprio rolar da bola não é a mesma coisa. É natural que os jogadores sintam sequelas, mas tivemos o cuidado de preparar a equipa para, independentemente da motivação do adversário, impormos o nosso jogo com paciência e critério, de modo a vencermos a eliminatória", concluiu.

Autores: Bruno Freitas e Pedro Malacó