Domingos Paciência foi um espectador atento do encontro entre Portugal e os Estados Unidos e, no final, não escondeu o orgulho por ter visto o filho Gonçalo a vestir pela primeira vez a camisola da principal Seleção Nacional, quase duas décadas depois de ele próprio ter realizado o seu último jogo pela equipa das quinas - o antigo avançado do FC Porto somou 34 internacionalizações entre 1989 e 1998.

"É especial porque é sempre um orgulho. Passado muitos anos ver um filho na Seleção é sinal de orgulho e satisfação", salientou o agora treinador do Belenenses, de 48 anos, antes de falar do que que sentiu o jovem Gonçalo, de 23 anos. "Ele estava um bocadinho nervoso, é normal quando se joga a primeira vez. Foi bom. Como disse o Fernando Santos e bem, foi mais um bom jogo para mostrar outros jogadores e outras opções. Fiquei contente porque é sempre bom ver um filho a jogar pela Seleção Nacional e a estrear-se", frisou.

"Podemos estar descansados tendo em conta a qualidade que temos neste momento. Além de uma belíssima equipa temos um leque de jogadores muito alargado com qualidade. Muitos deles são da Seleção sub-21 o que representa um trabalho feito há muitos anos pela Federação e é bom saber que um treinador tem dores de cabeça. São estas que o Fernando Santos quer ter e que qualquer treinador gostaria de ter. É bom para Portugal porque é sinal que o nosso futuro começa a estar cada vez mais protegido e acautelado com esta qualidade", referiu ainda Domingos.

Autor: Flávio Miguel Silva