Fernando Santos defendeu-se esta sexta-feira das críticas apontadas à forma de jogar da Seleção Nacional que venceu o Euro’2016. Abordando a qualidade do futebol praticado pela equipa das quinas, o selecionador nacional assumiu, em entrevista à agência Reuters, mostrou-se perplexo com as reações ao sucesso português.

"Não sei o que é bonito. Sei que as coisas bonitas existem, mas o que é bonito para mim e o que é bonito para qualquer outra pessoa é diferente", sublinhou o treinador de 62 anos, deixando uma certeza: "Só é possível ganhar um Europeu ou um Mundial jogando bem. O conceito do que é bonito ou não, é outra coisa."

Contudo, Fernando Santos garantiu não entender a discrepância de opiniões. "Em alguns casos, uma equipa que é realista, pragmática, normalmente ganha jogos... e isso é visto como algo bom. Em outras ocasiões já não é assim", sinalizou o selecionador português.

Quanto ao Mundial da Rússia, a realizar no próximo ano, Fernando Santos salientou que a Seleção Nacional tem, primeiro, que garantir a presença na fase final - "Não é fácil, dependemos de nós mas temos de ganhar todos os cinco jogos que faltam", lembrou, sobre a luta com a Suíça no Grupo B da qualificação - antes de pensar em outros objetivos.

"Depois, seja qual for a prova, Portugal não vai fazer turismo. Vai sempre com a ambição de procurar a vitória, mas também na condição de reconhecer que, à partida, a opinião global é que não somos favoritos", frisou o treinador.

Na defesa de CR7

Sobre Cristiano Ronaldo, o técnico reiterou que o atual melhor futebolista do planeta demonstra o seu nível todos os dias. "Não é só no futebol. Os melhores pintores, os melhores compositores... só alguém que é sem dúvida um génio é que atrai estas críticas. No passado diziam que ele era demasiado individualista, mas no último ano ele foi criticado porque já não era e estava a jogar para a equipa", apontou.

"Quando ele sai à rua tem milhares de pessoas em cima. Em alguns momentos podemos ter uma cara menos agradável, mas as pessoas dizem logo que é arrogância. Temos sempre a tendência de julgar os outros pelo nosso conceito. Eu conheço-o muito bem, e posso dizer que é de um altruísmo fantástico. É extremamente solidário. É uma pessoa excelente, na minha perspetiva, em todos os aspetos", salientou.

À procura da boa forma

Por outro lado, Fernando Santos admitiu ainda alguma preocupação com a época menos produtiva de alguns elementos cruciais da Seleção Nacional, seja devido a lesões ou por outras razões - Pepe, Renato Sanches, André Gomes, João Mario, Adrien Silva, Eder ou Nani são alguns exemplos citados pela Reuters.

"Portugal tem um grupo de jogadores de qualidade muito alta mas, em termos de quantidade, não temos uma grande número. É importante que estejam sempre em boa forma... mas esse é também o papel do treinador, pois de outra forma seria fácil", concluiu o selecionador.


Autor: Flávio Miguel Silva