O jogo entre Cabo Verde e o Uganda, da fase de apuramento para a Taça das Nações Africanas (CAN2019), foi adiado para domingo, porque parte da seleção ugandesa não chegou a tempo à capital cabo-verdiana.

A confirmação do adiamento do jogo foi avançada este sábado pela Confederação Africana de Futebol (CAF), justificando com questões técnicas que impediram o avião de descolar do Senegal para trazer parte da equipa a Cabo Verde.

Parte da comitiva do Uganda chegou na sexta-feira de madrugada a Cabo Vede, mas a outra não conseguiu chegar ainda este sábado para o jogo da primeira jornada do grupo L de apuramento para a CAN de 2019.

Carlos Cruz, membro da direcção da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF), não escondeu a sua insatisfação pelo adiamento do encontro, avançando à imprensa que Cabo Verde vai jogar no domingo sob protesto e que depois vai pedir a vitória no encontro.

O responsável justificou a decisão com os "transtornos enormes" a nível logístico e os prejuízos do adiamento do jogo para as 16h30 locais (18h30 em Portugal) de domingo.

O selecionador cabo-verdiano, Lúcio Antunes, disse também que os jogadores ficaram tristes com a decisão, mas salientou que são "situações que ninguém consegue controlar".

O técnico cabo-verdiano também apontou os transtornos com o adiamento do encontro, mas referiu que a equipa está focada no seu trabalho e quer ganhar para começar da melhor forma o apuramento para a prova máxima de seleções em África.

Entre os constrangimentos avançados, tanto pelo membro da FCF como pelo selecionador, está o adiamento também de muitas viagens de jogadores, que deveriam acontecer este sábado.

Os jogos do campeonato nacional foram todos marcados para domingo para não coincidiram com o da seleção, mas agora vão ter de ser jogados no mesmo dia e quase à mesma hora.

O jogo entre Cabo Verde e o Uganda vai ser dirigido por uma equipa de arbitragem da Mauritânia, chefiada por Lemghaifry Bouchaab, que terá como assistentes Abderahmane Warr e Hamedine Diba.

No mesmo grupo, o Lesoto vai jogar com a Tanzânia.

Os vencedores de cada um dos 13 grupos e os dois melhores segundos classificados juntar-se-ão ao organizador (Camarões) na fase final da prova máxima de seleções a nível africano.

Autor: Lusa