Com o arranque do Euro’2016 a menos de três meses de distância, Roy Hodgson chega a França com o estatuto de treinador mais bem pago entre os 24 que procurarão conquistar o título entre 10 de junho e 10 de julho.



O veterano técnico inglês, de 68 anos – é também o mais velho em prova –, tem um salário anual de 5 milhões de euros, relegando para o 2º posto o italiano Antonio Conte, que vai deixar a squadra azzurra após a competição. O turco Fatih Terim completa o pódio, superando o alemão Joachim Löw, atual campeão mundial, e o espanhol Vicente del Bosque, que defende o título europeu em França.

Quanto ao português Fernando Santos, surge em 8º lugar, com um salário de 1,2 milhões de euros anuais, numa lista em que saltam à vista os salários irrisórios – para os parâmetros do futebol atual – de treinadores como o romeno Anghel Iordanescu (‘só’ 10 mil euros por mês), o sueco Erik Hamrén ou até o galês Chris Coleman.

Storck e Slutsky

No ranking do ‘Finance Football’, o alemão Bernd Storck – que renovou esta semana o contrato com a Hungria até 2018 – é o único técnico cujo salário não é revelado. Já Leonid Slutsky, que sucedeu a Fabio Capello na Rússia, não recebe salário da federação, acumulando o cargo de selecionador com o de treinador do CSKA Moscovo.

Autor: José Angélico