Assinatura Digital

Argentina vai em 73 remates seguidos... sem marcar

Turma das pampas não marca desde março em jogos oficiais

Foto: Reuters

Olhando para os nomes, a Argentina será das seleções com mais opções de qualidade para a linha avançada. Jogadores como Lionel Messi, Paulo Dybala, Mauro Icardi, Gonzalo Higuaín ou Sergio Agüero impõem respeito por onde quer que passem, mas de forma incrível (e até inexplicável...) nem toda esta artilharia pesada chega para a turma das pampas conseguir encontrar o caminho do golo.

É que, em jogos oficiais, para lá de estar com um pé fora do Mundial'2018, a Argentina não vê um jogador seu marcar um golo desde 24 de março, quando Lionel Messi deu o triunfo sobre o Chile, de penálti. De lá para cá (contando com os instantes finais do jogo com os chilenos - houve mais cinco disparos), foram uns incríveis 73 remates sem golo para os argentinos. E aqui a expressão "jogador seu" faz a diferença, porque diante da Venezuela a Argentina marcou, mas tratou-se de um autogolo de Rolf Feltscher, após cruzamento de Marcos Acuña.

Depois desse triunfo frente aos chilenos, que parecia ter deixado a turma das pampas finalmente nos eixos rumo à Rússia'2018, seguiram quatro duelos, com uma derrota (0-2 com a Bolívia) e três empates (frente a Uruguai, Venezuela e Peru), com os remates a serem repartidos desta forma: 15 frente à Bolívia, 10 ao Uruguai, 21 à Venezuela e 22 ao Peru. Muito remate, mas pouca clarividência na hora de tentar aquilo que faz a diferença no futebol: os golos.

Pior ataque... só o da Bolívia

Sintomático do que tem sido esta campanha argentina é também o facto de a turma das pampas ter o segundo pior ataque da zona sul-americana de apuramento, com apenas 16 golos marcados em 18 encontros disputados. Pior só mesmo a Bolívia, que tem 14. Para se ter noção, o Brasil, o eterno rival argentino, tem mais do dobro (36)!

Autor: Fábio Lima

PUB