Entre a espada e a parede, a Argentina tem uma derradeira oportunidade para evitar ficar fora do Mundial’2018. Com um triunfo diante do Equador, na noite de terça-feira, a ser quase obrigatório, os alvicelestes esperam contar com um Lionel Messi de gala e... a marcar, algo que não aconteceu nos últimos quatro jogos de apuramento.

Esse facto até poderia nem ser um grande problema para uma seleção que conta com jogadores como Dybala, Di María, Agüero, Icardi ou Higuaín. A questão é que a dependência de La Pulga é total e já lá vai quase um ano desde a última vez que outro jogador marcou na fase de apuramento para o Mundial’2018.

É preciso recuar a 15 de novembro do ano passado para encontrar um alviceleste a fazer o gosto ao pé, mas até nesse jogo Messi marcou. Foi no triunfo por 3-0 diante da Colômbia, em que o craque do Barcelona abriu caminho para o triunfo. Depois foi a vez de Lucas Pratto e Ángel Di María fecharem as contas e consumarem o triunfo argentino.

No jogo seguinte, já em março deste ano, um penálti de Messi chegou para bater o Chile (1-0), antes de o pesadelo se tornar cada vez mais real. Veio uma derrota com a Bolívia (0-2) e empates com Uruguai (0-0) e Venezuela (1-1), com o golo alviceleste a ser de Feltscher na própria baliza, antes do derradeiro nulo com o Peru.

A crise goleadora na formação é de tal forma acentuada que os 16 golos marcados durante a fase de apuramento só superam os 14 da Bolívia. Resta saber se La Pulga ou outro argentino se chegam à frente...

Nas mãos de brasileiros

Certo é que um triunfo da Argentina garante o playoff com a Nova Zelândia. Garantir o apuramento direto é mais difícil. Curiosamente, o eterno rival Brasil pode dar uma grande ajuda, uma vez que se o Chile não bater a canarinha e a Argentina ganhar, a festa será alviceleste. Além disso, o árbitro do derradeiro encontro da equipa das Pampas será o... brasileiro Anderson Daronco. Diga-se que se houver empate entre Colômbia e Peru ou se o Peru vencer por margem menor do que a Argentina, a qualificação também fica assegurada.


Autor: Pedro Gonçalo Pinto