O Chile falhou a qualificação para o Mundial'2018 e algumas suspeitas têm existido sobre a entrega dos jogadores, com a mulher de Claudio Bravo, por exemplo, a revelar o alcoolismo de alguns. Neste âmbito o jornal chileno "Las Últimas Noticias" recuperou declarações feitas por Jorge Sampaoli em 2015 (na altura orientava a equipa e agora é selecionador argentino), que confirmam que este desfecho era esperado. O mais criticado foi precisamente Arturo Vidal.

"A situação de Arturo é para um especialista médico. Quando estávamos no avião no regresso de Lima, ele perguntou-me se podia abrir uma garrafa de cerveja que tinha comprado no aeroporto. Disse-lhe que não, que estavam presentes dirigentes e outras pessoas. Mesmo assim, com a ajuda do nosso motorista do autocarro, ele e outros conseguiram uma garrafa de whisky. Tive de despedir o motorista apesar de saber que o culpado era o Vidal",  referiu Sampaoli nas declarações que estão agora a ser recuperadas.

Vidal não foi o único que foi criticado por Sampaoli.  Segundo o treinador, Alexis Sánchez tinha problemas de adaptação, "acordada às vezes com os auscultadores nos ouvidos", "sentava-se sozinho" e "tomava o pequeno almoço sem falar com quem que que fosse".

E sobre Mauricio Pinilla, o que disse o então selecionador chileno? "Só pensa em festas quando está connosco".

Nessa altura, Sampaoli teve poucas dúvidas sobre o que seria a sorte do Chile nesta fase de qualificação: "A continuar assim, sem se fazer nada - e não há mudanças profundas- é difícil que chegue ao Mundial."

O Chile, bicampeão na Copa América, tinha falhado pela última vez a presença num Mundial em 2006, na Alemanha, depois de também ter falhado em 2002, na Coreia do Sul e no Japão, mas em 2010 e 2016 chegou aos oitavos de final. O selecionador Juan Antonio Pizzi já confirmou a saída do cargo.

Autor: Sandra Lucas Simões