André Villas-Boas apurou o Shanghai SIPG para as meias-finais da Champions Asiática - onde vai defrontar os japoneses do Urawa Red Diamonds -, eliminando o Guangzhou Evergrande de Luiz Felipe Scolari mas, além de ter acusado os chineses de provocar falsos acidentes rodoviários para atrasar o adversário no caminho para o estádio, indicou ainda que a equipa de Scolari beneficiou de uma diferença de tratamento dentro das quatro linhas. São acusações importantes que, segundo a imprensa inglesa, poderão levar mesmo a FIFA a investigar o caso.

"O árbitro [o iraniano Alireza Faghani] é que escolheu a baliza dos penáltis e foi precisamente aquela que tinha os adeptos do Guangzhou nas costas. Além disso, mostrou um cartão amarelo ao nosso guarda-redes durante a marcação dos penáltis, o que foi uma desgraça. Uma autêntica desgraça!", disse o técnico português, de 39 anos.

Mas as acusações de Villas-Boas não se ficaram por aqui. "Pelos vistos, o Guangzhou tem jogadores que podem dar cotoveladas nos adversários [caso do brasileiro Elkeson] sem serem expulsos. E o jogador Zhang Linpeng [Guangzhou] devia ter falhado a 2.ª mão desta eliminatória pois também deu uma cotovelada a um jogador meu na 1.ª mão. Contudo, o lance foi analisado pelo Comité de Ética e Disciplina da Confederação Asiática de Futebol e este não considerou a cotovelada uma ação de conduta violenta", revelou o técnico português.

Por fim, AVB mostrou-se contente pelo feito da sua equipa. "É o maior feito da história do Shanghai SIPG até porque foi contra um clube que domina a Liga dos Campeões da Ásia", concluiu.

Autor: Hugo Neves