Dono do Chelsea há mais de dez anos, Roman Abramovich nunca teve problemas em gastar muitos milhões com os blues e o mais recente plano de investimento passava pela construção de um novo estádio, que substituiria o velhinho Stamford Bridge. A ideia seria construir o mais moderno estádio da Europa e o projeto até recebeu luz verde por parte do próprio Mayor de Londres, Sadiq Khan. Contudo, houve algo que Abramovich não estaria a contar.

Uma família de quatro pessoas, os Crosthwaite, decidiu opor-se ao projeto e desde a primeira hora tem estado contra os planos de reconstrução naquela zona, por alegar que o novo reduto irá levar à "perda de luz natural" em grande parte da sua habitação, que se localiza logo ao lado do espaço no qual será erguido o novo Stamford Bridge. Os Crosthwaite são mesmo a única pedra a incomodar neste sapato, já que a equipa legal do Chelsea conseguiu acordos e comprometeu-se a compensar todos os restantes moradores afetados. Com os Crosthwaite nem por isso e nem mesmo uma oferta de seis dígitos os fez mudar de ideias.

Agora, detalha o 'Telegraph', o Chelsea estará disposto a alegar que a oposição da família "representa um risco claro" para o novo estádio, pedindo ao Conselho de Fulham para alegar "interesse público" e tornar sem efeito a alegação dos Crosthwaite.

Refira-se que os Crosthwaite não se opõem à reconstrução do estádio, colocando apenas em causa o projeto em si, precisamente por reduzir a luz natural da sua habitação e também por, no seu entender, "ter um inaceitável e prejudicial efeito na zona". Neste sentido, a mesma família aponta a construção de uma zona para 17 mil lugares de convidados como algo exagerado em comparação com os restantes estádios, podendo ser a retirada dessa zona do estádio a solução para esse problema.

Autor: Fábio Lima