Quantos jogadores franceses (e até de outras nacionalidades...) não gostariam de receber uma chamada e, do outro lado, ouvirem a voz de Zinedine Zidane? Arriscamos dizer que serão praticamente todos... Ainda assim, poucos teriam a coragem de fazer aquilo que Raphaël Varane fez quando o atual técnico merengue lhe ligou, em 2011, para o convencer a trocar o Lens pelo gigante clube espanhol, no qual Zidane era, à data, conselheiro do clube, por pedido de José Mourinho.

"Estava nas aulas e ligou-me o Zizou. Atendi sem saber bem quem era... Falou-me e disse-me que não era brincadeira, que era mesmo ele. Eu perguntei 'quem fala?' e depois reconheci a voz. Estava com vergonha e, como foi uma surpresa, pedi-lhe para ligar noutra altura, porque estava ocupado. Imaginas muitas coisas, mas nunca que seja o Real Madrid... Era algo tão grande para mim que nem pensava nisso. No final acabei por vir para cá...", lembrou o defesa, à Real Madrid TV, numa entrevista na qual aproveitou igualmente para recordar, com emoção, o seu primeiro dia em solo espanhol.

"Vou lembrar-me sempre do dia em que cheguei ao aeroporto e havia muitos jornalistas. Eu apenas pensava em ir até às instalações do clube e assinar. Não imaginava tanto entusiasmo para ver um jogador. Nesse momento percebi onde tinha chegado. Depois, vi as taças de campeão europeu, o estádio, a cidade... foi como um sonho e um momento único", recordou.

Uma sesta... estragada

Numa conversa feita num registo informal, Varane abordou ainda a conquista da Décima, alcançada em Lisboa, diante do At. Madrid, numa partida na qual o francês foi titular. Ora, o defesa soube desse estatuto ainda antes de dormir a sua habitual sesta... que nesse dia não existiu. "Soube que iria ser titular antes da sesta e acabei por não conseguir dormir. Era muita tensão e pressão. As pessoas esperavam há muito a Décima, mas foi o jogo que mais desfrutei e que mais emoção vivi", disse.

Autor: Fábio Lima