A convite do nosso jornal, André Sousa matou saudades dos tempos de criança, entre os 10 e os 12 anos, em que se inscrevia na Liga Record. E o médio do V. Setúbal tinha um verdadeiro treinador a dar a tática, já que o pai Hélio, atual selecionador nacional dos sub-19, o ajudava a formar as suas equipas. Dessa altura, permanece na Liga o benfiquista Luisão, central de 36 anos que tem ainda muito para dar, defende André, de 19.

"É um veterano do futebol português e pode ganhar ainda mais títulos", sublinha, antes de eleger mais outras duas águias. "O Fejsa é dinâmico e tem qualidade defensiva e ofensiva. Já o Seferovic chegou agora e já fez vários golos. Vai ser um dos goleadores do campeonato", vaticina o médio.

Com um orçamento de 31,3 milhões de euros – as nossas regras só permitiam ir até aos 34 para eleger o onze! –, André Sousa, atleta da cantera vitoriana que também passou pela formação do Benfica, optou por formar uma equipa com "um misto de experiência e juventude".

Com Cláudio Ramos na baliza, guardião que "ajudou a salvar o Tondela da descida de divisão", e Ricardo Esgaio (Sp. Braga) e Luís Martins (Marítimo) como laterais de "grande valor", a "solidez defensiva fica garantida" com a inclusão do leão Mathieu. "Vem do Barcelona e é um jogador que traz muita qualidade ao nosso futebol", explica-nos este, apenas por um dia, treinador de sofá...

Do Sporting, o médio dos sadinos inclui também Gelson Martins, "uma das grandes figuras" do emblema leonino. A frente de ataque é fechada com Ricardo Horta, "um dos principais nomes do Sp. Braga".

Passando para o meio-campo, precisamente os terrenos que ocupa ao serviço dos sadinos, André Sousa aposta no promissor Francisco Geraldes (Rio Ave) e em Zungu (V. Guimarães), dois atletas para fazerem companhia ao experiente Fejsa, do Benfica. "Geraldes e Zungu são jogadores de qualidade e ainda com margem para evoluir", avaliou André Sousa, que elegeu Bruno Varela, Nuno André Coelho e Edinho como suplentes do treinador Pedro Martins.


Autor: Ricardo Lopes Pereira