Foi Neymar, foi Dembelé e muitos mais: o verão de 2017 ficará na história do futebol como o mercado de transferências de todas as loucuras. Os números oficiais do TMS, sistema da FIFA que monitoriza todas as transferências internacionais do Mundo, confirmam-no: nunca se tinha gasto tanto. Nem perto.

Entre 1 de junho e 1 de setembro, houve 7.590 transferências internacionais, que fizeram mexer 3.960 milhões de euros, praticamente tanto como em todo o ano de 2016 (4.030 milhões de euros). E atenção: quase 60 por cento dos negócios foram relativos a jogadores livres de contrato!

Os emblemas ingleses, como é costume, foram os reis da despesa, com quase 1.200 milhões de euros em 526 futebolistas. Houve 17 emblemas da Premier League que gastaram mais de 16,8 milhões de euros, ao passo que em nenhum outro país dos cinco principais campeonatos da Europa terá havido mais de nove.

Das ‘Big 5’, apenas a Espanha apresenta um saldo positivo no balanço de compras e vendas. De resto, e como se esperava, a França foi o país do Mundo onde se registou um maior aumento nos gastos em relação a 2016. As ‘loucuras’ do PSG fizeram com que os mais de 500 milhões de 2017 representem um aumento de 250 por cento em relação ao mercado de verão do ano passado.


Autor: Sérgio Krithinas