O canoísta bicampeão da Europa Fernando Pimenta deixou esta época o K4, mas o trio sobrevivente integrou o novato David Varela e a tripulação promete repetir presença em Tóquio'2020, após o promissor sexto lugar nos Europeus da Bulgária.

"Sinto-me bem, pois fomos sextos com uma equipa nova. A adaptação está a correr bem. Vamos ver como correm as coisas no mundial. Aí é muito importante, pois vamos poder tirar a melhor conclusão sobre esta época", diz David Varela, de 23 anos.

Em declarações à agência Lusa, o estudante de mestrado em tecnologias de informação geográfica, em Coimbra, fala na "constante vontade de melhorar e querer sempre mais", inspirando-se na ambição e experiência dos seus companheiros.

"O Mané (Emanuel Silva) é um incentivador, uma pessoa que nunca desiste. O João (Ribeiro) também nunca baixa os braços, mas é mais descontraído. Quando diz que é para fazer, é mesmo para fazer. O David (Fernandes) é uma pessoa mais recatada, porém transmite experiência e confiança", revela, considerando que não podia ter melhor companhia.

A reformulação do K4 1.000, sexto no Rio'2016, implicou também uma mudança para os 500 metros, a nova distância olímpica: no primeiro verdadeiro teste internacional, os pupilos de José Sousa mostraram que a tripulação continua bem competitiva, mesmo estando ainda a adaptar-se a novas rotinas e ao corpo estranho.

"Espero que os meus companheiros sintam que, comigo, este barco vai estar ao nível do anterior. Que confiem em mim como eu neles", desafiou, falando do K4 1.000 que foi campeão da Europa em 2011 e vice-campeão do Mundo em 2014.

Em Plovdiv, Bulgária, a equipa portuguesa cumpriu os 500 metros em 1.19,872 minutos, ficando a apenas 1,316 segundos do ouro da Hungria, a melhor seleção de canoagem do mundo.

"Com treino e dedicação, vamos evoluir ainda mais", prometeu, confiante que o K4 500 vai melhorar sucessivamente os seus registos até ao apuramento para Tóquio'2020, que será feito no ano anterior.

Tal como a restante seleção, David Varela, Emanuel Silva, João Ribeiro e David Fernandes vão agora descansar um par de dias até voltarem ao trabalho com José Sousa em Montemor-o-Velho para preparar o Mundial, que vai decorrer no último fim de semana de agosto, na República Checa.

"Com os meus colegas aprendi lições bem importantes, a principal a de nunca ter medo dos adversários. E que as provas são para deixarmos mesmo tudo o que trabalhamos nos treinos. E acreditar até ao derradeiro centímetro", concluiu.

A seleção chegou ao Porto ao fim da manhã com a medalha de ouro de Fernando Pimenta em K1 1.000 e as pratas do limiano em K1 5.000 e da dupla Joana Vasconcelos/Francisca Laia em K2 200, decisivas para o sexto lugar de Portugal no medalheiro dos Europeus com 37 países.

Autor: Lusa