E ao quinto dia... chegaram as primeiras medalhas para Portugal na 29ª edição das Universíadas, no Taipé. Francisco Belo e Rui Bragança, dois atletas que recentemente terminaram o curso de medicina, subiram ontem ao pódio na competição universitária mais importante do Mundo, confirmando a muito boa tradição portuguesa neste evento.

Belo, de 26 anos, viveu mesmo o momento mais alto da sua carreira, ao ganhar a final do lançamento do peso com 20,86 metros, um novo recorde pessoal que arrasou totalmente a concorrência e que teria sido suficiente para ficar... em 4º lugar nos Mundiais de atletismo em Londres, há 15 dias.

Esta é a 12ª medalha de ouro de Portugal em Universíadas, a 7ª do atletismo. As últimas haviam sido ganhas por Alberto Paulo e Nelson Évora em Shenzhen’2011.

O primeiro dia de atletismo contou ainda com a passagem às meias-finais de Cátia Azevedo (400 metros) e Diogo Antunes (100 metros). Paulo Conceição (salto em altura) e Hugo Rocha (1500 metros) falharam o apuramento para as respetivas finais.

Bragança de novo prata

À semelhança do que aconteceu em 2015, Rui Bragança voltou a sair das Universíadas com a medalha de prata na categoria de -58kg de Taekwondo.

O jovem de 25 anos, que tirou o curso na Universidade do Minho – ao contrário de Belo, que se formou em Lisboa – derrotou toda a concorrência até à final, onde só foi batido pelo indiano Hadi Tiranvalipour, por 7-5, num combate muito equilibrado.

"É uma medalha muito importante. São as minhas últimas Universíadas e após um ano sem competir nesta categoria. Uma boa forma de agradecer à Universidade do Minho, ao Benfica e de sair do mundo universitário", confessou a Record.

No ténis, Nuno Borges aproximou-se da luta pelas medalhas e já está nos oitavos-de-final, após ter derrotado o o italiano Alessandro Ceppelli,por 6-4 e 6-3, em 1h20. Inês Mesquita caiu na 3ª ronda.

No basquetebol, a equipa feminina derrotou a Coreia do Sul por 59-50 e ficou em 3º no grupo.

Autor: José Morgado