Record

Assinatura Digital Premium Saiba mais

Rui Costa: «Fico com a sensaçãode que poderia ter corrido melhor»

Português acredita que teve azar na prova

Rui Costa, Ciclismo, Portugal
Rui Costa, Ciclismo, Portugal • Foto: EPA
Rui Costa mostrou-se desapontado este sábado com o 10.º lugar conquistado no Rio'2016, assumindo que, não fossem as contrariedades sofridas, poderia ter ficado mais bem classificado.

"Acabei no top 10, mas fico com a sensação de que poderia ter corrido melhor", reconheceu Rui Costa aos jornalistas, antes de revelar que durante os 256,4 quilómetros da prova sofreu percalços que o afastaram da luta pelas medalhas.

O primeiro azar do líder da seleção portuguesa aconteceu na segunda volta ao primeiro dos dois circuitos, quando um problema técnico o obrigou a parar e a mudar de bicicleta, uma vez que a sua se partiu. "Houve um fator que não estávamos a ter em conta, que era o pavé. Entrava-nos muito rápido, a 60, 65 km/h. Saltavam bidões, correntes", explicou.

Depois, quando seguia destacado na descida, na companhia dos espanhóis Alejandro Valverde e Joaquim Rodríguez, a quem 'roubou' o ouro mundial em Florença'2013, dois ciclistas caíram à sua frente e teve de travar a fundo para não ir ao chão, o que abriu um espaço para o grupo que discutiu entre si as medalhas.

"Quando o [Michal] Kwiatkowski ficou para trás para ajudar o [Rafal] Majka na descida, sabia que ele tecnicamente é muito forte. Eu rapidamente pude ler o que eles iriam fazer. Ia bem colocado no grupo, que depois acabou por beneficiar da queda à minha frente. Ia entre os dez. Estraga sempre um pouco a ideia que levava. Mas pronto, o ciclismo é mesmo assim, pelo menos ter terminado no top 10 já é bom", pontuou.

O campeão mundial de 2013 tinha noção de que a prova de fundo dos Jogos Olímpicos ia ser muito dura, mas teve ainda contra si o calor: "Tivemos a possibilidade de vir com tempo, fazer um estágio em Teresópolis. A temperatura lá era totalmente diferente da de hoje. Talvez este tenha sido o dia mais quente no Rio de Janeiro, uma vez que estamos no inverno."

(Re)conhecido pela sua capacidade única de ler a corrida, o corredor da Póvoa de Varzim descreveu as primeiras quatro horas de prova como de extrema dureza, devido ao calor e à humidade. "A primeira parte do percurso era muito aberta, sentia-se muito o calor. Era muito complicado, com muitas rampas. O último circuito era totalmente um virar de página: era uma subida mais dura, com mais quilómetros. Os quatro primeiros eram muito íngremes, apesar de mais abrigados", resumiu.

O ciclista da Lampre-Merida sabia que o percurso era duro, por isso não ficou surpreendido com a permanente sucessão de ataques - "são os Jogos olímpicos, não se vai devagar, o ritmo é sempre agressivo", mas sim com o vencedor, o belga Greg van Avermaet.

"Se calhar não contava que fosse o Avermaet, porque é um corredor muito forte nas clássicas. Pela dureza que tinha o percurso, foi um pouco de surpresa para mim", admitiu.
Por Lusa
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Ciclismo de Estrada

Notícias

Notícias Mais Vistas

M M