O olímpico do Benfica, Célio Dias, está a passar por uma fase existencial difícil. O seu discurso antissocial nas redes sociais, mais concretamente no Facebook, veio lançar a confusão, preocupando os responsáveis da modalidade e do desporto em geral.

Célio Dias disparou em todas as direções, atingindo instituições como Benfica, Federação (FPJ) ou Comité Olímpico de Portugal (COP). E expôs, também, sentimentos relacionados com a sua vida privada, capazes de ferir a suscetibilidade de certas pessoas.

As reações do público ao seu discurso, nem sempre coerente, não se fizeram esperar, tentando trazer o atleta à realidade, com palavras de incentivo e apelo à continuidade da sua carreira ao mais alto nível.

Não é a primeira vez que Célio Dias se dispersa com este tipo de atividade nas redes sociais, pois depois dos Jogos Olímpicos do Rio’2016 sofreu uma depressão que implicou, desde logo, um menor rendimento desportivo, também prejudicado por uma lesão.

O judoca tem sido acompanhado, depois de se temer pelo seu estado de saúde. E até regressou em pleno no recente Mundial de Budapeste, na Hungria, ao alcançar o 9º lugar, que lhe dará acesso ao projeto Tóquio’2020.

Na ocasião, Célio Dias venceu dois combates, esteve em vantagem frente ao campeão mundial, mas este viria a virar o combate, eliminando o português da competição.

Apoio de Benfica, COP e Federação

Benfica, Comité Olímpico de Portugal (COP) e Federação (FPJ) estão preocupados com Célio Dias. José Manuel Constantino, presidente do COP, referiu: "Precisa do nosso apoio e tem sido apoiado. Tem de se resolver o seu problema de saúde para que tenha bem-estar. Infelizmente, houve uma reversão do seu estado, mas estamos a acompanhar a situação."

Jorge Fernandes, presidente da FPJ, alinhou pelo mesmo diapasão: "O Célio terá o nosso apoio. O seu discurso preocupa, mas estamos em contacto com o Benfica para saber o que se está a passar. Que eu saiba, nada lhe foi diagnosticado, embora tenha recebido apoio psicológico depois dos Jogos."

Apesar das nossas tentativas, não foi possível falar com Célio Dias nem com o Benfica.


Autor: Alexandre Reis