A Ferrari está interessada em manter Sebastian Vettel mas desconfia que há uma jogada da Mercedes com o seu piloto no horizonte. Por isso, o presidente Sergio Marchionne sancionou uma proposta milionária nas negociações a renovação com alemão que tem dois 'truques'.

Assim, a Ferrari propõe a Vettel um salário anual base de 40 milhões de euros num contrato de três temporadas, escreve a 'Auto Hebdo'. Com isto, a escuderia italiana acredita que desmontará a estratégia da Mercedes, onde Toto Wolff terá sugerido ao alemão que aceite apenas um ano de contrato, de forma a garantir a sua contratação para 2019.

Este é o primeiro 'truque'. O segundo é que a oferta de renovação tem um prazo de validade que é curto: Vettel é obrigado a responder até final do mês sobre se quer os 120 milhões de euros em salários até 2020, aos quais se somam prémios de desempenho também bastante aliciantes.

Recorde-se que alemão comemorou o 30.º aniversário a 3 de julho e entre os convidados da festa esteve Wolff, algo que desagradou sobremaneira a Lewis Hamilton, principal piloto da Mercedes, mas também aos dirigentes de topo da Ferrari, embora por motivos diferentes.

Vettel é o piloto que pode mexer no mercado a sério, mas a Mercedes só tem espaço para ele depois de Hamilton terminar o contrato, em 2018, pois é inviável juntar o alemão e o britânico no que seria certamente uma das mais fortes dupla de sempre da história da Fórmula 1.

Assim, Valtteri Bottas deverá mesmo renovar e ficar mais um ano como companheiro de equipa de Hamilton, uma situação que Vettel gostaria que a Ferrari 'imitasse' com Kimi Räikkönen, tendo por isso informado os dirigentes da sua preferência. O problema é o finlandês ainda não respondeu à proposta que lhe foi apresentada, a qual contempla um salário anual base de cinco milhões de euros.

Outro cenário se desenha no horizonte caso Vettel acabe por renovar apenas por mais um ano, terminando o contrato na mesma altura de Hamilton, que já manifestou que gostaria de correr... pela Ferrari.