Entrevistado pelo site oficial da Renault Portugal em pleno dia de descanso do Dakar'2018, Carlos Sousa proporcionou uma animada conversa na qual falou de treinadores de futebol, de 'portunhol', sexo e até de Sara Sampaio. Tudo começou na presença de André Villas-Boas na prova, que no entender do veterano teve "azar de se estrear com um Dakar com este figurino", passando depois para uma pergunta mais... arriscada.

José Mourinho, Jorge Jesus, Rui Vitória e Sérgio Conceição no Dakar? "Ia ser um 'prato'. Ia adorar vê-los com a pá na mão no meio do deserto. E para a prova ia ser fantástico, pois ia ser ainda mais mediática", atirou o piloto de 51 anos, que na hora de comparar o seu 'portunhol' com JJ... não tem dúvidas. "Empate técnico… Eu acho que ele fala melhor ‘Portunhol’ e eu espanhol".

No mesmo registo, e depois de algumas respostas mais sérias - como por exemplo a previsão de que, com ordens de equipa, Carlos Sainz vencerá -, o atual 18.º colocado da prova foi questionado sobre o achava de ter Sara Sampaio como copiloto. Seria a modelo da Victoria Secret excelente nessa tarefa? "Sem dúvida, não me importava nada. Ia ser um excelente passeio…".

E em pleno Dakar'2018 há espaço para relações sexuais ou é missão impossível? "Não, não é. Há sempre energia para mais qualquer coisa… (risos)". E, a finalizar, continuando numa temática algo 'despida' Carlos Sousa revelou que o momento mais bizarro nesta prova foi vivido quando "um grupo de rapazes e de raparigas se despiram" sua passagem".

Falando no âmbito de competição, Carlos Sousa aproveitou para explicar por que razão ponderou abandonar na quinta etapa, quando ficou muito tempo atascado numa duna (que não a mesma onde ficaram Sébastien Loeb  ou Cyril Despres). "Não considerem presunção, mas depois de tantas participações e de tão bons resultados, para mim já não é tão importante chegar ao fim do Dakar. As hipóteses de conquistar um bom resultado terminaram. Mas com tanta a gente a pedir para não desistir, obviamente que não ia ficar pelo caminho. Agora, é tentar fazer uns brilharetes quando as condições nos forem mais favoráveis", explicou.

Leia a entrevista completa aqui.

Autor: Fábio Lima