Aproveito este dia de descanso do Dakar para falar da competição camião que a meu ver não tem o mediatismo que merece. Não sei se já repararam, mas a quase totalidade das principais equipas vem do leste da europa e da Holanda. O argentino Frederico Villagra, antigo piloto do mundial de ralis tem por isso uma tarefa duplamente complicada. Ultrapassar as dificuldades da prova e bater-se com um clã fortíssimo. Para já esta a safar-se muito bem embora a diferença de quase uma hora para o líder e vencedor em 2017 seja já significativa.

De destacar também nesta competição o 6º lugar do japonês Sugawara crónico vencedor da classe de menor cilindrada. Pelo caminho (na 2ª etapa) ficou o seu pai que também aos comandos de um Hino fazia aqui a sua 35ª participação entre as 40 edições da prova.


A análise de Miguel Barbosa

A análise de Miguel Barbosa


Autores: Miguel Barbosa