Era noite cerrada quando nos pusemos a caminho para observarmos o terceiro maior campo geotérmico do Mundo, associado ao vulcão Tatio. Como os geysers estão mais activos ao nascer do dia e desde San Pedro de Atacama até ao campo são quase uma centena de km, a solução foi fazer uma directa. E valeu a pena.

São mais de setenta as fumarolas em actividade, lançando para o ar constantemente nuvens de vapor e, de quando em vez, jactos de água que chega a atingir os 85 graus. O vale fica coberto dessas nuvens de vapor, de cheiro ácido, o que lhe dá um aspecto surreal que apenas desaparece quando o sol está já no alto, criando novas imagens e revelando novas formas até então escondidas na negrura da noite. O frio - uns cinco graus negativos - não nos afugentou. Nem a nós nem aos muitos turistas que foram chegando. Estamos a mais de 4 mil metros de altitude - é bom lembrar.

A pausa para uma sandes e um café depois de termos percorrido - a pé! - toda a zona, agora bem mais vigiada e controlada depois da morte, com queimaduras de 1. grau, de uma turista belga que escorregou e caiu dentro de uma das 60 poças de água a ferver - reconfortou-nos e ajudou-nos a seguir o caminho previsto.

Por algum alcatrão mas na maior parte por largos estradões em terra batida, atingimos o ponto seguinte, Chiu-Chiu, uma aldeola que tem a igreja mais antiga de todo o Chile, a Igreja de S. Francisco. Foi mandada construir em 1540 por um colonizador espanhol - Pedro de Valdivia,  fidalgo que, ao que consta, esmagou tudo quanto era costumes (e pessoas) locais e impôs a religião católica - e a maioria das imagens datam de 1660. Hoje é um monumento nacional.

Daqui até Lasana foi menos rápido do que os km que separam as duas povoações fazia prever. Uma estrada (?) de montanha onde só passava um de cada vez, um precipício sempre ao nosso lado direito, um piso de pedra irregular e escorregadio obrigavam a muita cautela para chegarmos ao restaurante onde nos esperava o caldo de galinha. Um óptimo caldo de galinha, confesso.

Pena foi que o esperado "chancho en el horno", isto é, leitão no forno, tenha sido uma completa desilusão. Os leitões de facto existiam, mesmo ali ao lado de um belo lama (que a Isabel de bom grado traria para casa!), o forno estava a funcionar, mas o reco sabia mais a anho que a porco. Um desastre. Para a próxima trazemos um frasquinho com aquele molho que tão bem preparam na Bairrada.