O velejador português José Costa disse esta sexta-feira esperar uma classificação entre o 10.º e 12.º lugar no Campeonato do Mundo 49er, que vai decorrer entre sábado e 2 de setembro, ao largo de Matosinhos.

José Costa forma equipa com Jorge Lima, numa representação portuguesa que também contempla as embarcações de Afonso Maia/Francisco Maia e Rodolfo Pires/Gonçalo Pires.

Em declarações à Lusa, o velejador, que participou nos Jogos Olímpicos 2016, no Rio de Janeiro, afirmou que "dadas as condições uma classificação entre os 10 e 12 primeiros lugares seria de relevo", num ano em que por força da intervenção cirúrgica a que foi sujeito, a competitividade decaiu.

Operado à coluna cervical após o regresso do Brasil, José Costa afirma-se a 95 ou 96% da sua condição física, explicando, contudo, que a condição física "não é que mais condiciona" dentro de um barco.

"Prejudicou mais a paragem longa após os Jogos Olímpicos", disse, lembrando que a tripulação chega ao Mundial "apenas com três competições disputadas em 2017".

Para o velejador português "isso é muito pouco" frisando que foi "menos de metade" do que precisavam ter em termos de preparação, o que implicou na "falta de ritmo de regata" com que se vão apresentar.

"Chegamos aqui com um handicap em relação aos nossos adversários, que tiveram uma época cheia de provas, que não pararam nem tiveram problemas de saúde", disse.

E, numa modalidade em que o público "não se sente", é a concentração e o trabalho de equipa na embarcação aliado ao conhecimento do campo de regatas "a ditar o sucesso ou insucesso da regata", salientou.

"É importante conhecer as correntes, os ventos e os aspetos com que eles se alteram", sendo que foi para "decifrar e estabelecer parâmetros que permitam saber a frequência com que o vento e as correntes se alteram" que na última semana estiveram a estagiar no campo de regatas.

De resto, é um campo de regatas que disse "conhecerem bem" pois foi nele que "prepararam e competiram" no Europeu de 2015, altura em que fizeram "uma preparação exímia".

Com um número recorde de 144 embarcações em competição ao largo de Matosinhos, nas classes 49er e 49er FX (femininos), o Mundial regressa ao Norte depois de ter sido disputado pela última vez em Portugal em 2007, em Cascais.

As regatas de qualificação iniciam-se no dia 28 e estende-se até dia 30, sendo os restantes três dias destinados às regatas de frota e à das medalhas, a 2 de setembro, pelas 12:00.

Autor: Lusa