Record

Assinatura Digital Premium Saiba mais

Vamos conhecer melhor os atletas de Rugby?

• Foto: Reuters

Todos os desportos têm as suas características. Contudo, o Rugby é um desporto especialmente rápido e feroz e o atleta que o pratique tem que estar preparado para aguentar todos os ataques a que estará sujeito e manter-se apto a continuar o jogo. Por este motivo, os perfis antropométricos e fisiológicos destes atletas podem apresentar variações de acordo com a exigência que cada posição apresenta, resultado de corridas de alta intensidade e frequência de contacto entre jogadores e havendo uma tendência de diferenciação dos atletas que assumem as posições mais avançadas e mais recuadas.

Enquanto que os atletas que têm posições mais avançadas são, normalmente, mais altos, mais pesados e com maior percentagem de gordura corporal, os atletas que jogam em posições mais recuadas apresentam características diferentes porque a maior parte do tempo os avançados estão em atividades aeróbias apesar de também haver momentos anaeróbios.

Segundo vários estudos como Mezzaroba, Trindade e Machado, 2013; García e colaboradores, 2014; Higham e colaboradores, 2014; Walsh e colaboradores, 2011, "além das abordagens táticas que influenciam o desempenho para a marcação de pontos, estudos sobre a composição corporal dos atletas de Rugby demonstram a determinação das posições de jogo em função das características antropométricas, com tendência de corpos pesados e fortes, com parâmetros adequados de percentagem de gordura corporal, para os avançados".

Apesar da ascensão do Rugby no nosso país, para a maior parte dos desportistas ele ainda é levado como uma modalidade recreativa e, por esse motivo, é importante perceber que existem diferenças entre atletas e praticantes de atividade física, sendo que nos atletas o que os leva a praticar este desporto é o profissionalismo e a competição.

Para quem me acompanha semanalmente já não é novidade que, para que o atleta tenha um desempenho satisfatório durante e após a competição, é necessário haver equilíbrio entre alimentação e treino. A elaboração do plano alimentar para o atleta deve ter sempre em conta os seus objetivos e preferências alimentares individuais, mas também as exigências da modalidade, principalmente nas fases de treino.

Estes atletas são muitas vezes submetidos a situações extremas que provocam dispêndios energéticos imensos, acabando por necessitar não só de nutrientes conseguidos através da alimentação, mas também muitas vezes através de suplementos alimentares. Segundo a Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBME), o Valor Energético Total (VET) ingerido diariamente por um atleta deve ser composto em média por 60 a 70% de hidratos de carbono para promover a contração muscular durante exercícios de longa duração. Já para a ingestão de proteínas, a recomendação é de 1,2 a 1,6g/Kg de peso com o objetivo de potenciar a recuperação e o crescimento do tecido muscular do indivíduo. No que diz respeito aos lípidos, a recomendação é de cerca de 1g de gordura por Kg/peso corporal do indivíduo, totalizando 30% do VET. Os lípidos tornam-se essenciais para prolongar o exercício sem que ocorra fadiga. Assim, a alimentação e a avaliação antropométrica de jogadores de Rugby são indicadores importantes de desempenho e de garantia de resistência durante o jogo.

Como já vem sendo hábito, ao longo da semana vou dando dicas nutricionais para potenciar a performance destes atletas, que pelas características da sua modalidade também apresentam necessidades nutricionais específicas.

Até para a semana!

Por Inês Morais
Deixe o seu comentário
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Nutrição

Notícias

Notícias Mais Vistas

M M