Saída de campo

António Magalhães

António Magalhães

Diretor
António Magalhães

Passo à frente e outro atrás

Categórica, autoritária, demolidora – assim foi a entrada do Sporting no jogo em Atenas e também na Champions, apesar do sobressalto final. O pequeno susto provocado por um relaxamento compreensível mas necessariamente proibido quando estamos no mais elevado patamar competitivo, era dispensável mas não tira brilho à vitória histórica.

Sabia-se que o Sporting tinha potencial para vencer este Olympiacos mesmo no temível Karaiskakis, mas muitas vezes o que parece ser possível não é. O Sporting fez por parecê-lo e por sê-lo. Escapou a goleada mas não houve susto que tirasse os 3 pontos. Foi um grande passo de leão.

O Benfica parece nervoso. Ontem, não segurou a vantagem (merecida) e permitiu até a reviravolta. Perder com um adversário direto e ainda por cima em casa, só pode ser compensado, de facto, com a promessa que Rui Vitória deixou: há que ir buscar os 3 pontos perdidos seja onde fôr.

Vitória tem sido polido nos contactos com os jornalistas mas também ele anda menos sereno. É importante ter cabeça fria para refletir sobre o que anda a correr mal e que nos últimos três jogos se traduziu por um empate, uma vitória sofridíssima contra 10 e uma derrota. Há crise? Haverá se não forem bem interpretar todos os sinais.

12.09.2017
M M